Num experimento que usa o efeito fotoelétrico, ilumina-se sucessivamente a superfície de um metal com luz de dois comprimentos de onda diferentes, $\lambda _1$ e $\lambda _2$, respectivamente. Sabe-se que as velocidades máximas dos fotoelétrons emitidos são, respectivamente, $v_1$ e $v_2$ , em que $v_1 = 2v_2$. Designando $C$ a velocidade da luz no vácuo, e $h$ constante de Planck, pode-se, então, afirmar que a função trabalho $\psi$ do metal é dada por


img
Nicholas Admin 07/10/2021 00:30
O efeito fotoelétrico é um fenômeno de expulsão de elétrons de um material onde há emissão de radiação eletromagnética (com frequência suficientemente alta). Einstein foi responsável por evidenciar a seguinte relação de conservação: a energia do fóton incidente é igual à energia exigida para expelir um elétron somada a energia cinética máxima que o elétron assume - o que pode ser algebricamente descrito como:$$hf=\phi+E_{c_{max}}$$Sendo $h$ a constante de Planck, $f$ a frequência dos fótons que incidem na superfície do metal, $\phi$ a função trabalho (energia necessária para expelir um elétron) e $E_{c_{max}}$ a energia cinética máxima dos elétrons expelidos. Como para a luz $f=\frac{c}{\lambda}$ e, segundo o enunciado, $v_1=2v_2$, podemos equacionar o problema:$$\begin{cases}\dfrac{hc}{\lambda_1}=\phi + \dfrac{m(2v_2)^2}{2}\\\dfrac{hc}{\lambda_2}=\phi + \dfrac{mv^2_2}{2}\end{cases}$$Manipulando:$$\begin{cases}\dfrac{mv_2^2}{2}=\dfrac{hc}{4\lambda_1}-\dfrac{\phi}{4}\\\dfrac{mv_2^2}{2}=\dfrac{hc}{\lambda_2}-\phi\end{cases}$$Portanto:$$\dfrac{hc}{4\lambda_1}-\dfrac{\phi}{4}=\dfrac{hc}{\lambda_2}-\phi$$E finalmente:$$\boxed{\phi=hc\frac{4\lambda_1-\lambda_2}{3\lambda_1\lambda_2}}\quad\text{Gab. D)}$$
Modo de Edição
0 / 5000