Dobrando-se a energia cinética de um elétron não-relativístico, o comprimento de onda original de sua função de onda fica multiplicado por:


img
ITA IIIT 14/02/2022 12:19
$-$ Como é dito ser um elétron não-relativístico, isto é, desprezaremos a teoria da relatividade, podemos escrever os dois casos como: \begin{matrix} E_{c_1} = \Large{\frac{m.v^2}{2}} &,& E_{c_2}= \Large{\frac{m.u^2}{2}} \end{matrix} Sabemos do enunciado que, \begin{matrix} E_{c_2} = 2E_{c_1} \end{matrix} Relacionando as expressões, temos: \begin{matrix} u^2 = 2.v^2 \end{matrix} Pela equação fundamental da ondulatória, \begin{matrix} (\lambda_2.f)^2 = 2.(\lambda_1.f)^2 &\Rightarrow& \fbox{$ \lambda_1 = \lambda_2\large{\frac{1}{\sqrt{2}}}$} \end{matrix} \begin{matrix} Letra \ (A) \end{matrix}
Modo de Edição
0 / 5000