No circuito mostrado acima na figura a força eletromotriz e sua resistência interna são respectivamente $\varepsilon$ e $r$. $R_1$ e $R_2$ são duas resistências fixas. Quando o cursor móvel da resistência se move para A, a corrente $i_1$ em $R_1$ e a corrente $i_2$ em $R_2$ variam, respectivamente, da seguinte forma:


img
ITA IIIT 13/04/2022 20:44
A priori, a situação trata de um reostato, isto é, ao movimentar o cursor para $A$ estamos diminuindo a resistência do ramo, pois a corrente passará diretamente até $R_2$. Dessa forma, comecemos fazendo a associação em paralelo da imagem: \begin{matrix} {{\dfrac{1}{R_{eq}}}} = {{\dfrac{1}{R_{1}}}} + {{\dfrac{1}{R_{2} + R}}} &\Rightarrow& R_{eq} = {\dfrac{1}{{\dfrac{1}{R_{1}}} + {\dfrac{1}{R_{2} + R}}}} \end{matrix}Atente que, se $R$ diminui, $R_{eq}$ também diminui, e vice-versa. Nessa perspectiva, precisamos saber como isso influencia as correntes $i_1$ e $i_2$, continuando, conhecida a resistência equivalente, pela $\text{Primeira Lei de Ohm}$: \begin{matrix} \varepsilon = (r + R_{eq}).i &\therefore& i= {\dfrac{\varepsilon}{ (r + R_{eq})}} &,& i = i_1 + i_2 \end{matrix}Contata-se então que, ao diminuir $R_{eq}$ aumentamos a intensidade da corrente $i$, esta responsável por $i_1$ e $i_2$. Repare agora em $i_1$, novamente, pela $\text{Primeira Lei de Ohm}$: \begin{matrix} \Delta V = R_1.i_1 &,& \Delta V = \varepsilon - r.i &\Rightarrow& i_1 = {\dfrac{\varepsilon - r.i }{R_1}} \end{matrix}Assim, o aumento de $i$ caracteriza o decréscimo de $i_1$, o que consequentemente acarreta o aumento de $i_2$. \begin{matrix}Letra \ (C) \end{matrix}
Modo de Edição
0 / 5000
ManualLaTeX